terça-feira, 20 de julho de 2010

Primeiras Leituras

Com muita alegria estou retornando o convite da Lis Comunello. Sou nova nesse mundo de blogs, e nunca participei de um "meme". Além disso, amei o assunto!

Não recordo o primeiro livro que li. Desde muito cedo, antes de me lembrar, já era vidrada nas palavras, aquelas coisinhas que podiam nos levar a qualquer lugar do mundo. Aos 4 anos já lia palavras soltas em outdoors, aos 5 lia sozinha meus primeiros textos, minha mãe me ensinou a ler em casa.  Ela nunca me restringiu ao que eu podia ou não ler, e eu devorava todos os livros que encontrava pela frente. Na casa da minha avó, descia até o "quartinho da bagunça" e passava tardes divertidíssimas com os mesmos livros que em outro tempo entreteram minha mãe e meus tios. Na biblioteca da escola, muita coisa passou pelos meus olhos: a Coleção Vagalume me acompanhou muito neste tempo, e não foram poucas as vezes que troquei as bonecas pelos mistérios de Agatha Christie. Tenho orgulho de contar que inspirei minha irmã no gosto pela leitura, ao ler para ela a história da "festa de Margarete".

Mas o primeiro livro que lembro de me marcar profundamente foi "Mulherzinhas", de Louise May Alcott. O livro me marcou pela profundidade nas relações. Quatro irmãs que passaram muitas dificuldades, mas encontravam umas nas outras toda a força que precisavam: Jo, espirituosa, menina-moleque, não se preocupava com padrões; Meg, mais conservadora; Amy, apaixonada e impetuosa, e Beth, a mais frágil e doce.

E eu cresci, e depois li de tudo. Li coisas maravilhosas e importantes, li coisas inteligentes,  li coisas técnicas, mas nunca esqueci do sentimento de magia que permeava as primeiras aventuras.

Estendo o convite a Eliana Grimm, Tamara Sleyne, Patrícia Muller e Déa Balle. Espero que se divirtam escrevendo e relembrando, como eu me diverti.

sábado, 12 de junho de 2010

Você é a pessoa favorita de alguém?

Você é a pessoa favorita de alguém?

Estava vendo um vídeo no blog Bebendo Fumaça, gosto muito do que a "Cafeína" posta, sempre bem humorada e verdadeira nas suas colocações. Segue o link para o vídeo: http://goo.gl/fb/bpAmN

Me fez pensar: será que sou a pessoa favorita de alguém? Não sei responder... mas também não sei se tenho uma pessoa favorita. Já tive, hoje não sei mais. Tem muitas pessoas que gosto muito com quem amo estar, mas acho que não tenho uma pessoa favorita. Acho que o tempo, as desilusões, a certeza de que todo mundo tem seus defeitos fazem isso com a gente.  Vamos nos desiludindo e colocando restrições nas pessoas. Triste, né?

Mas postei isto aqui porque me fez pensar... e vou seguir o dia pensando que preciso ser menos crítica, menos exigente com as pessoas, porque também eu tenho meus milhares de defeitos.

beijos.
Carol

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Novidades

Oi, gente!

Ando numa correria doida... Desde que minha amiga veio morar comigo os dias estão mais cheios, acreditam que ela até fez eu me matricular na academia??
Estou também as voltas dos preparativos para as férias, saio amanhã, vou a POA para o aniversário do sobrinho e nascimento da sobrinha. Acredito que vai ser um tempo muito bom para tudo, para descansar, para encontrar amigos, para estar com a família, e também para escrever um pouco, é claro.

Por falar em escrever, entrei no projeto "1001 dicas práticas", e hoje saiu meu primeiro artigo lá, estarei escrevendo sobre a experiência de morar sozinha, dando dicas para quem está passando por esta situação. Confiram lá e me contem o que acharam, ok??


Beijos,

Carol

domingo, 2 de maio de 2010

Uma das coisas legais de se mudar bastante é que você faz amigos em vários lugares. A parte ruim disso é que você fica ligada às pessoas e sente saudades, e, se não for rica, não tem jeito, vai demorar para ir a todos estes lugares visitar os amigos.
Fiz muitos amigos em Floripa, e apesar de ser "caminho" para casa, não dá para aguentar 12 horas em um ônibus papara passar o final de semana e ainda fazer uma paradinha no meio do caminho, né? Resumindo... vou para casa a cada 2 ou 3 meses e 2 vezes por ano passo em Floripa.
Uma das coisas ruins desse negócio de se mudar bastante, é ter que virar gente grande. Tipo... em Floripa, eu ainda tinha meu pai por perto, em Porto Alegre, todo o resto da família. Apertou a grana? Pedia para minha mãe fazer compras para mim no cartão dela, básico! Mas estar longe nos força a ter mais responsabilidade, a ser mais contidos. Que saco, eu não pedi para ter responsabilidade! Adorava quando estava no colégio e nos dias de muita chuva minha mãe dizia que eu podia ficar em casa. Agora, é procurar a bota mais fechada, o casaco mais comprido (para se molhar o mínimo possível) e vambora! O trabalho espera!!
Eu não pedi para virar adulta, ter que pagar contas, compromissos!!
Ontem saí com uma amiga de Floripa que veio me visitar e passamos em uma loja com as botas em promoção. Minha amiga estava lá, empolgada, pensando em levar duas botas, e eu me coçando, precisando de sapatos pra o inverno que está chegando. Saco!
Pensei: bom, se eu levar a bota aqui, compro um presente mais baratinho de dia das mães, gasto menos no supermercado... aieeeeee! Me lembrei... se eu fcar sem grana não tem ninguém para me acudir. Que saco essa tal responsabilidade que nos acompanha cada vez mais freqüente mente quando vamos ficando mais velhos, né? Não levei as botas. Alguém quer me dar uma de presente? Estavam em promoção...

domingo, 18 de abril de 2010

quando eu era pequena, queria ser jornalista...

Então... quando eu era pequena, queria ser jornalista...
Não tão pequena assim... até eu fazer o vestibular e não passar na federal... aí acabei caindo na administração, um pouco por pressão, um pouco por falta de escolhas melhores, pensando: "quando eu tiver grana vou fazer o curso que eu quero!"

Acabou que lá se vão quase 13 anos e nem pensei mais nisso...

Fazem quase seis meses que estou em Curitiba, e estava pensando sobre a minha mudança, sobre as novas escolhas que eu fiz, sobre o que eu ainda quero fazer... me peguei refletindo sobre a pessoa que eu era e a pessoa que estou hoje. Me peguei pensando naquilo que mudei, que amadureci, mas também naqulo que perdi. Perdi minha inocência, depois de vários tombos é difícil confiar nas pessoas, perdi muito do meu idealismo, perdi a vontade de tentar fazer as pessoas enxergarem aquilo que é certo (pelos meus olhos), ou apenas cansei disso.

Não perdi minha vontade de agir pelo certo, embora às vezes escolha pelo caminho que eu sei que não é, mas não me imagino vivendo sem aquilo que aprendi em casa, sobre certo e errado. Aprendi a enxergar as coisas em tons de cinza, depois de bater com a cabeça na parede tentando provar que turo era preto ou branco. Não perdi minha paixão por doces e ainda não troco um bom livro por uma festa, mas perdi o medo de arriscar, perdi o medo das pessoas.

Me dei conta que o que não quero perder mesmo são os meus sonhos, as minhas paixões, a minha essência. Minha vontade de viajar o mundo, ler muitos livros, escrever poesias sobre nada. E tomei uma decisão. Posso não ter corrido atrás do tal diploma de jornalismo, e agora acho que nem é mais momento, mas não quero abrir mão de uma paixão antiga, que é escrever. Então, vou tornar mais freqüentes minhas atualizações, seja para comentar alguma coisa que vi ou ouvi, ou apenas para falar dos meus sentimentos, como hoje.

Beijos,
Carol

Frase do dia

“Então, o amor e a amizade são isso..
Não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam.
Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço.”

Mário Quintana

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Feliz! Feliz! Feliz!

Hoje estou muito feliz.

Estes 5 meses em Curitiba estão sendo legais, mas tenho sentido muitas saudades de casa, acabei engordando bastante neste tempo. Hoje tive a ótima notícia que uma grande amiga vem trabalhar em Curitiba, e vem morar comigo.

Como é bom ter pessoas que a gente gosta por perto, né? meu sentimento hoje é de que eu não vou mais ficar sozinha.

Queria compartilhar este momento. Minha vontade é de pular de tanta felicidade.

Bjos.

domingo, 28 de março de 2010

Meeting Dermage Curitiba

Oi, gente!

Ontem falei sobre o Luluzinha Camp, hoje vou falar do Encontrinho na Dermage, que aconteceu ontem pela manhã. O encontro foi promovido pela Ana, a gêmea má das Trendy Twins. A foto abaixo foi tirada pela Renata. AMOOO!



Foi uma manhã muuuuito bacana, apesar da chuva. A Ana Paula, farmacêutica responsável pela loja em Curitiba, começou nos falando um pouquinho sobre os tipos de pele, as camadas que a pele é composta, como os cosméticos agem nestas camadas, a ação do tempo e como podemos combatê-la (o desejo de todas nós). Ela nos apresentou primeiro os produtos para tratamento do rosto: combate a acne, limpeza, tonificação, hidratação, combate a rugas e linhas de expressão. Depois nos mostrou os produtos para o corpo, redução de celulite, estrias, hidratação. Me apaixonei pelo hidratante de banho, e pelo gel para combate de olheiras. Achei muito legal que eles tem uma linha completa só para a área dos olhos, vou dizer que as olheiras me atormentam demais.


Em seguida fizemos um lanchinho, e tivemos a oportunidade de dar uma olhada nos produtos da loja. Fiquei impressionada com a quantidade de coisas legais, vontade de comprar tudo! Após o lanche a Ana deu seqüência apresentando a linha de maquiagem. Eles possuem uma linha bem completa de maquiagem, e é tudo com filtro solar, e tudo pensando em cuidar e proteger a nossa pele. Olha que demais!! 


Em todo o tempo pudemos tocar, experimentar, cheirar e ver as texturas dos produtos, tudo de ótima qualidade! No final, a Renata, que é maquiadora profissional, maquiou a Paula com os produtos da Dermage, e enquanto isso pudemos ficar fuçando e experimentando o que tinha por lá.



Para completar, fomos para casa com vários presentinhos: Um vale maquiagem ou revitalização, um gloss iluminador, um protetor solar para o rosto, uma amostra de hidratante para o banho e uma amostra do Drencell, que é um tratamento para celulite. Certamente voltarei lá para buscar mais umas coisinhas...


Termino agradecendo às Trendy Twins pela iniciativa, à Dermage pelos presentes e à Ana Paula pela atenção e paciência em nos mostrar e explicar tudo.

Beijão,
Carol

sábado, 27 de março de 2010

Luluzinha Camp PR - 21/03/2010

No último domingo tivemos a terceira edição do Luluzinha Camp PR.

Eu já havia participado de uma edição em Porto Alegre, e posso dizer que é muito diferente. Nem melhor, nem pior, diferente. Pessoalmente, para mim, as edições em Curitiba fizeram mais diferença para quem participou. Acredito que seja por causa da quantidade de participantes, em POA tinha mais de 50, aqui em torno de 10. Senti muito mais proximidade com as meninas aqui, pude conhecer um pouquinho de cada uma, saber quem são elas. Me senti com várias novas amigas, e acredito que foi assim para todas.

Começamos a programação com uma desconferência sobre internet. Cada uma teve a oportunidade de falar um pouquinho sobre o que é a internet na sua vida, como foi o início, para que utiliza mais a rede; para algumas, o ganha pão, para outras é apenas hobby, mas como o Luluzinha Camp é um grupo de garotas interneteiras, todas tinham muito para falar. Em seguida fizemos um super lanche, cada uma levou um prato, a Fernanda Musardo levou uns sanduíches maravilhosos, e a Lis Comunello fez novamente seu super brigadeiro de ovo maltine. Durante este período, conversamos sobre  tema do evento: "o que as mulheres querem?", e foi uma discussão super legal, cada uma compartilhou um pouco da sua luta diária para conquistar seu espaço.

Mais tarde tivemos a Oficina de Estilo, com a Carol Reine e Carol Baveldi, que nos ensinaram como trasformar uma camiseta branca e jeans, de uma vestimenta básica a roupa para trabalho, balada, happy hour, apenas jogando com os acessórios. Também aprendemos um pouco sobre como usar bolsa e várias formas de se usar um lenço.

A Flávia nos deu uma aula de auto-maquiagem, falou um pouquinho sobre os produtos, o que usar e como usar, e maquiou algumas meninas também. Estávamos todas ansiosas, tanto que cada uma trouxe de casa sua coleção de maquiagem (e como temos coisas!!).

Fizemos um troca-troca de roupas, e uma pena que não aconteceu a aula de Yoga com a Eveline, uma menina muuuuito querida, que eu já conheci da outra edição.

A Vera, que é uma naturóloga, sabendo que quero emagrecer me deu várias dicas de alimentação e exercícios, e também fez auriculoterapia nas meninas.

Não falei da Dafni, que é sempre ótima e deu um bolo na oficina de tic-tac de feltro, da Kellen, que gentilmente editou e baixou minhas fotinhos no flickr, e tinha mais duas meninas que eu nao lembro o nome de jeito nenhum (a idade chegando a gente esquece as coisas, elas não são menos importantes, tá?)

A Editora Planeta doou alguns livros para sorteio e também foi sorteado um conjunto de lingerie. Desta vez eu não ganhei nada no sorteio, mas o que valeu mesmo foi a tarde maravilhosa que passei com estas mulheres incríveis.

Se quiserem ver mais fotos, segue o link das fotinhos que a Kellen postou, tem até o vídeo da Carol Baveldi ensinando a fazer um nó diferente no lenço: http://www.flickr.com/photos/43170011@N04/sets/72157623565724007/

Beijos,
Carol

sábado, 20 de março de 2010

Carta ao João Pedro

Eu estava separando esta semana alguns livros para o bazar de troca do Luluzinha Camp quando achei o livro "Coisas da Vida", da Martha Medeiros. Dei uma folheada, reli algumas crônicas que gosto mais, e no final do livro achei a "Carta ao João Pedro", que é o primeiro sobrinho dela. A crônica foi publicada na Zero Hora por ocasião de seu nascimento, próximo a um Dia dos Pais.

Meu primeiro sobrinho, e afilhado, também se chama João Pedro, e fiquei até emocionada quando li a crônica (coisas de tia coruja), então resolvi publicar a  crônica aqui, não esquecendo, é claro, de dar os devidos créditos a autora.

"João, nasceste mais pequeninho do que o esperado, mas em breve vais ser do tamanho do teu pai, meu irmão, e você já reparou como ele é grande? Grande em todos os sentidos, e isso é a maior sorte para quem acaba de chegar ao mundo. Em tempo: hoje é o dia dele. Com duas semanas de vida, ainda não podes abraçá-lo, mas vais ter muito tempo - e motivo - pra isso.

Bem-vindo, aqui é o teu lugar. É bastante espaçoso, ainda que as pessoas costumem sair pouco do próprio bairro. Tem muita beleza e muita miséria, e já é bom ir se acostumando com as contradições, porque é o que mais há. Tem gente que nos diz não, mas faz isso para nosso bem, e tem gente que só nos diz sim, mas faz isso mais por preguiça do que por amor. Em alguns dias ensolarados, você se sentirá inesperadamente triste, e alguns temporais vão trazer a você muita esperança. Certas pessoas têm uma aparência decente e altiva, mas são ocos por dentro - e podem até ser maus - enquanto que outros são quietos, discretos, parecem não valer grande coisa e no entanto são os verdadeiros super-heróis, as tais criaturas fascinantes que tanto procuramos pela vida. Como descobrir as diferenças? Não se deixando levar por preconceitos e idéias prontas. Aproveite, João, que nada está pronto, você é que vai escrever sua história, e deste ponto onde você está, a estrada é infinita.

Tomara que você goste de futebol, porque a esta altura você já sabe em que família foi se meter. Uma ala é gremista fanática e a outra é colorada doente, não queria estar no seu lugar. Mas sempre é possível escapar para o tênis, que também tem tradição na sua árvore genealógica.

Mulheres? Você em breve vai conhecê-las nos parques, na escola, e prepare-se, elas não estão para brincadeira. São decididas e autoritárias, mas não se assuste, também sabem ser engraçadas e sedutoras, você vai ter um trabalho danado, mas não vai se queixar nem um minuto.

Parques, escolas, alimentação, educação... Infelizmente não é assim pra todos, não demora você vai conhecer a palavra que mais envergonha este país: injustiça. Uns podem, outros não podem, e isso gera uma bagunça que é bem mais séria do que um quarto desarrumado. Um país desarrumado faz muita gente sofrer, ninguém encontra nada: onde estão os escrúpulos, a dignidade, estará tudo embaixo da cama? Somem, desaparecem, e então começa um jogo de empurra, "foi ele", "não fui eu", "não sei de nada", e a bagunça só aumenta. Digo que desde já você está metido nesta história e pode ajudar, sim. Como? Guardando bem os seus valores.

Está achando que vai ser chato? Nada, João Pedro. Se você tiver bom humor e uma cabeça aberta, vai curtir música, cinema, livros, viagens, praia, aventuras, internet, sem falar em outros interesses que nem posso prever aqui, já que as coisa evoluem da noite pro dia. Só o que posso adiantar é que vai ser um pouco fácil e um pouco difícil, é assim pra todo mundo. Enquanto você se equilibra de um lado pro outro, nunca se esqueça do mais importante: divirta-se."